21
jun

0
LCARIBE

É sempre tempo de voltar a pulsar…

   Esse mês, decidi tirar uma semana de férias. Viajar, relaxar, sair da rotina. Quantas vezes durante o ano a gente faz isso? Parar, sair da correria cotidiana, do estresse, das obrigações que aprisionam. Viajar é permitir-se olhar a vida por outros ângulos. Ah, e como é libertador conseguir ver outros ângulos… Às vezes a correria é tanta que nos cega. Falta tempo pra gente, para meditar, pra experimentar novas sensações.

   Muitas vezes, em nossas rotinas nos angustiamos, nos cansamos, queremos seguir novos caminhos, mas não os vemos. O mundo em que vivemos nos faz acreditar que devemos seguir produzindo freneticamente, e isso não permite que a gente se escute, se sintonize com as nossas necessidades. Quantos males da alma poderíamos evitar se escutássemos nossas necessidades?

   Sair de férias é permitir-se sentir a brisa do mar acariciando o rosto, e a água salgada levando pra longe todo o nosso cansaço, permitir que a correnteza nos leve pra onde ela quiser, com a mesma segurança de quem se encontra no ventre materno. É poder se entregar a possibilidade de não fazer nada por obrigação, é comer quando se tem fome e não somente porque está na hora. Estar de férias é ampliar horizontes e poder levar essas novas possibilidades para a nossa vida cotidiana quando voltarmos.

   Tirei férias, viajei, me permiti novas experiências. Senti-me a pessoa mais leve do mundo e mais livre também. Viajar me fez pensar como construímos prisões e vendas para os nossos olhos, como conseguimos deixar de perceber o mundo maravilhoso que está a nossa volta. Esquecemos do que nos é necessário, e nos perdemos muito facilmente de nós mesmos. Isso é o que cansa, adoece e muitas vezes nos faz mergulhar numa angustia sem fim. Que não deixemos de reservar esse tempo para meditarmos, relaxarmos e quem sabe nos reencontrarmos com nós mesmos. É sempre tempo de parar, e é sempre hora de voltar a pulsar.

Mariana da Nóbrega - Psicóloga Clínica